Vários fatores vem diminuindo a presença de torcedores do Londrina no Estádio do Café

Que os públicos por todo o Brasil a cada ano que passa vem diminuindo ou se afastando por vários motivos, isso é claro, basta pegar a média de público dos campeonato disputados em todo a país durante uma temporada. Em Londrina, a diminuição de torcedores no Estádio do Café é algo que chama a atenção, principalmente pela ascensão do Tubarão desde 2011, quando a SM Sports, gerida pelo gestor Sérgio Malucelli, assumiu o departamento de futebol do clube e trouxe resultados expressivos saindo de uma segunda divisão estadual para quase alcançar a primeira divisão em nível nacional.

Entre os vários fatores apontados por todos para a diminuição do público, a falta da consolidação de um programa de sócio torcedor, as estruturas defasadas do Estádio do Café e os jogos televisivos ganham destaque entre eles. O presidente do Londrina, Cláudio Canuto, comentou que esses fatores fizeram o torcedor se afastar dos jogo do Tubarão e que buscam ações para melhorar este quadro. “Acredito que são vários fatores, financeiro é uma delas, uma das principais, o Londrina não tinha tantas competições, participava do Campeonato Paranaense e Série D, hoje o Londrina tem quatro competições no ano, fica difícil financeiramente para o torcedor acompanhar todos esses jogos, temos os horários que é muito complicado, temos a disputa com a televisão, então são vários fatores e logicamente se você não tem um bom elenco, o torcedor vai embora, o torcedor quer saber de times competitivos e quer saber de um bom jogo”, falou o presidente do Londrina que esteve a frente da administração do clube entre os anos de 2011 à 2013 e desde 2017.

O Londrina em 2014, ano do título do Campeonato Paranaense e acesso da Série D para a C, colocou públicos de quase 30 mil pessoas na final do Campeonato Paranaense e quase 10 mil pessoas na partida do acesso da Série D para a C e na semifinal da competição. Em 2015, teve pouco mais de quatro mil pessoas de média no Paranaense e quase 10 mil na Série C, onde subiu para a Série B. Em 2016, com a volta a Série B, os públicos foram diminuindo e mesmo com o Alviceleste brigando até as últimas rodadas pelo acesso a elite, o maior público foi de 13.318 pagantes contra o Vasco da Gama.

Em 2017, o Londrina registrou jogos com público a baixo dos mil pagantes durante a Série B e teve o ápice de público nos dois jogos decisivos da Copa da Primeira Liga, contra Cruzeiro e Atlético Mineiro, onde as duas partidas tiveram público pagantes de pouco mais de 15 mil pessoas. Neste ano, o maior público do Tubarão aconteceu na partida contra o Coritiba, onde 2.684 pessoas pagaram para assistir ao jogo. Otimista com as ações que a diretoria do clube está tomando para 2018, Cláudio Canuto espera um aumento no público. “Nós discutimos muito isso, eu o Sérgio [Malucelli], comissão técnica, então esse ano o torcedor vai retomar, fizemos o lançamento do Passaporte Alviceleste, em uma condição muito especial, acredito que vamos evoluir com isso, fazendo sorteios durante o programa, um carro quando chegar em dois mil torcedores, acredito em um número maior que dois mil”, enfatizou Canuto sobre o novo plano para tentar aumentar o número de torcedores no Estádio do Café.

O presidente do Tubarão também sabe que não é planos novos que vão atrair o torcedor, que atender o “cliente” melhor no Estádio do Café é fundamental. “Nós temos que trabalhar de uma forma geral, o bem estar do torcedor também, que o torcedor lá no Estádio do Café seja bem atendido, nós temos trabalhado isso, que o torcedor possa estar em uma sintonia com o clube, que ele possa estar bem informado das coisas que acontecem durante o ano no clube, são vários fatores que podemos fazer que reflita no retorno do torcedor”, afirmou Cláudio Canuto.

O Passaporte Alviceleste foi implementado na Série B de 2017, com apenas 700 exemplares em um valor acessível que garantia a entrada em todos os jogos do Tubarão em casa. Para este ano, o programa de sócio torcedor não foi renovado e a aposta está toda no Passaporte. Este sistema consistem em dois planos, um para arquibancada e outro para as cadeiras, onde o torcedor poderá assistir todos os jogos da Série B. O Passaporte Alviceleste para a arquibancada custa R$ 500 e o Passaporte cadeiras cativas custam R$ 750, ambos os planos dão entrada em todos os jogos do Tubarão na Série B, além de ganhar uma camisa oficial, do modelo 2018/2019.

Próximo jogo

O primeiro jogo do Londrina, no Estádio do Café, será na estreia do Campeonato Brasileiro da Série B, no sábado (14), às 16h30, contra o Boa Esporte.

Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina EC Oficial.

Siga em:
Coritiba vence Atlet
Sandro Forner valori

Jornalista, formado na Unopar em 2015. Nasci e moro em Londrina. Apaixonado por esportes. Gosto de praticar aquele futebolzinho de final de semana. Futebol não é apenas um esporte, mas sim uma forma de viver.

Classifique este artigo