Presidente do Londrina fala sobre parceria com a SM Sports

Na última semana, em entrevista à Folha de Londrina, o presidente da SM Sports e gestor do Londrina, Sérgio Malucelli, declarou que não irá renovar o contrato de parceria com o Londrina Esporte Clube após o término do período no final de 2020. A reportagem do Redação em Campo conversou com o presidente do Londrina, Cláudio Canuto, que explicou as discussões entre as partes envolvidas e pensando no futuro do clube.

Na última segunda-feira (3), Malucelli se reuniu com o conselho do clube e expôs a situação financeira para a temporada 2019, sendo um dos motivos para a não prorrogação do contrato. “O contrato do Sérgio termina no final de 2020, ele tem mais dois anos para tocar o futebol aqui em Londrina, o que dificulta a permanência dele aqui é o custo que tem o futebol, Série B e Campeonato Paranaense para manter um clube do porte do Londrina, o custo é muito alto, então ele reclama muito porque nós não temos empresas que possam fazer investimentos e ajudar no orçamento anual do clube, mas como sempre falo para ele, nós passamos por um momento crítico, uma crise muito grande, temos que entender esses últimos quatro anos que tivemos de crise, o Londrina sempre deu a mão no que foi possível para o Sérgio”, afirmou o presidente do Londrina Cláudio Canuto.

Na reunião que ocorreu com a diretoria e conselheiros do Londrina, Sérgio Malucelli fez uma proposta de anistia de um valor repassado pela SM Sports ao Londrina. No caso, quando foi fechado o contrato em 2010, todo dinheiro que entrasse no futebol ao Londrina, 20% seria repassado ao clube e o restante ficaria com a SM Sports para tocar o futebol. Em 2016, após voltar a Série B, esse repasse caiu para 10% e agora o gestor do clube fez uma proposta para não haver repasse por um ano. “Ele solicitou uma reunião com o conselho, eu estive presente, ele solicitou que os 10% que ele repassa ao Londrina, que fosse dado uma anistia por um ano, os conselheiros ouviram e pediram 30 dias para retornar, provavelmente irão retornar com um contra-proposta, mas eu fico muito feliz do Sérgio chegar diante do conselho e abrir todas as situações, aquilo que está sendo negociado, o que está passando, o momento difícil para ele, tenho certeza que o Londrina irá fazer aquilo que é possível, dizer que o Londrina dará a anistia, não posso garantir, até porque o Londrina tem seus custos, o clube tem contas assumidas, tem parcelamentos pagando, então temos que ter muito cuidado, fazer os levantamentos que temos de fazer, estamos em busca disso já, para fazer um planejamento para o ano que vem”, declarou Canuto.

Sérgio Malucelli não deve renovar o contrato com o Londrina ao final de 2020. Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina EC Oficial.

Hoje, o Tubarão recebe duas grandes receitas, os 10% repassados pela SM Sports e o valor da Timemania. “Basicamente são esses [receitas que entram no clube], a receita que entra da escolinha fica praticamente para a manutenção da própria escolinha, categoria sub-15 e sub-17, ele [Sérgio Malucelli] que ajuda, pois o restaurante é todo dele, o restante do custo é nosso, então de certa forma as receitas que a gente tem aqui de algumas placas que a gente consegue vender mais a receita da escolinha, bancam essa operação do futebol. Agora a Timemania e a receita que vem dele, que desde 2016, nós acertamos um percentual de 10%. Sem esses 10%, é preciso fazer contas, a gente tem compromissos assumidos, então não dá para dar uma resposta de hoje para amanhã, pois temos algo para fazer ou pensar em um percentual diferente, precisa botar no papel, aí diante da realidade que temos hoje, voltar a conversar com ele num espaço de pelo menos uns 15 a 20 dias para novamente dar uma alinhada em toda essa situação”, enfatizou o presidente do Alviceleste.

Entre os pagamentos que o Londrina realiza mensalmente, existem parcelas de várias dívidas federais, que giravam em torno dos R$ 10 milhões e com o Programa de Recuperação Fiscal (Refis), foram parceladas, além das dívidas trabalhistas, que no início da gestão estava perto dos R$ 8 milhões, que já foram quase todas quitadas. Cláudio Canuto falou que hoje o Londrina só tem uma dívida que ainda não foi negociada. “É uma do Londrina, é uma dívida que ainda está no prazo de recurso e o Sérgio também tem uma única, trabalhista, que está em uma demanda que não foi acertada antes, então uma do Londrina e outra de parte da SM Sports que são as únicas dívidas trabalhistas que não foram acertadas, mas para um time de futebol para o tanto de gente que trabalha, é quase nada, passou esse momento difícil que deixamos para trás, esse trabalho que foi feito até hoje, essa recuperação, essa receita de R$ 7 milhões anuais que a SM Sports fez e se sair hoje, deixa para o Londrina, então tem que se avaliar, tem que ser olhado, todo mundo tem sua importância, a gente precisa ter muito cuidado quando se toma uma decisão para não haver prejuízo para ambas as partes”, destacou Canuto.

O triênio do mandato de Cláudio Canuto se encerra no final de 2019, mas mesmo assim, já se iniciou um planejamento para a vida do Londrina após uma eventual saída do gestor Sérgio Malucelli. Canuto argumentou que já foi montado um grupo de conselheiros para avaliar uma nova gestão ou tocar o futebol sozinho. “Eu que acompanha a gestão do futebol de perto, já passei a minha percepção de que o Sérgio não continua após 2020. E há seis meses, nós montamos uma comissão junto ao conselho e já vem se discutindo toda essa situação de um novo possível parceiro, e porque não ter o Sérgio Malucelli no meio, porque ele tem um ‘know kow’ de conhecimento do futebol, mas isso depende muito da vontade dele, não podemos chegar lá e mudar a vontade dele e da família dele. O que sei da parte dele é que a família não quer mais que ele continue, pelo tempo que ficou aqui, pelo desgaste que dá o futebol, pelas cobranças que vem, o Sérgio já tem também um longo prazo no futebol, então acho que ele está pensando em descansar. Se ele resolver por isso, a comissão discute a possibilidade, avalia contas, avalia um planejamento anual para ver se o Londrina consegue tocar sozinho ou precisa buscar um parceiro”, acrescentou o presidente do LEC.

Caso Malucelli queira renovar o contrato após 2020, ele pode negociar um período adequado para fazer a renovação. O presidente do Londrina até comentou que falou para o Sérgio renovar por mais cinco anos. “O prazo é discutível, ele não tem nenhuma obrigação de renovar e ele pode fazer uma proposta, o Londrina avaliar se aceita ou não. Acho que vai chegar o momento de se discutir uma nova parceria por um tempo mais longo ou com a própria SM Sports, eu propus a ele mais cinco anos, acho que seria um tempo de consolidação de todo o trabalho”, disse Cláudio Canuto.

Já com base nessas informações, o Londrina emprestou o técnico Roberto Fonseca para o Grêmio Novorizontino e alguns atletas para disputarem o Campeonato Paulista. No Paranaense, o time será comandado por Alemão, que subiu do sub-19 para o profissional. Além do treinador, outros sete jogadores devem fazer o mesmo caminho e se juntar aos remanescentes da temporada 2018.

Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina EC Oficial.

Siga em:
Atlético-PR empata
Operário aguarda re

Jornalista, formado na Unopar em 2015. Nasci e moro em Londrina. Apaixonado por esportes. Gosto de praticar aquele futebolzinho de final de semana. Futebol não é apenas um esporte, mas sim uma forma de viver.

Classifique este artigo