Atuação impecável de Jhones ajuda a colocar Rio Branco na final

Jogadores do Rio Branco e Cascavel se posicionam no gramado do Estádio Nelson Medrado Dias. Ao fundo, um grande público se faz presente nas arquibancadas do estádio.

Muito se falava do poderoso ataque do Rio Branco antes da partida contra o Atlético-PR. O Leão da Estradinha tem os melhores números ofensivos do Campeonato Paranaense, com nove gols marcados. Porém, o objetivo primário do grande responsável por conduzir o time à final da Taça Dionísio Filho não era balançar as redes. Pelo contrário: durante os 90 minutos e nas cobranças de pênaltis, ele trabalhou muito para impedir os oponentes de marcarem gols contra sua equipe. Trata-se do goleiro Jhones, que fez ótimas defesas e alcançou o segundo jogo seguido sem ser superado pelos atacantes adversários.

O Furacão pressionou bastante o alvirrubro durante boa parte do confronto. Porém, o sistema defensivo dos visitantes conseguiu barrar a maioria das investidas da equipe da capital. Quando o Atlético teve a chance, Jhones foi providencial para salvar o Rio Branco. A história se repetiu em alguns momentos, como nas cabeçadas de Éderson e Zé Ivaldo. Nos pênaltis, o goleiro foi decisivo ao defender a cobrança de Yago e converter sua própria tentativa.

Até então, o atleta tinha vivido altos e baixos no campeonato. Na partida de estreia, o Rio Branco vencia o Cianorte quando Jhones agrediu um adversário nos acréscimos do segundo tempo. O juiz expulsou o arqueiro e concedeu um pênalti ao Leão do Vale, que chegou ao empate. Na sequência do certame, o jogador precisou disputar a posição com Éder e, posteriormente, pegou um gancho de duas partidas por conta da expulsão na primeira rodada. A verdadeira redenção – para ele e para o restante do elenco – veio no embate contra o Paraná Clube, quando o Leão da Estradinha venceu seu primeiro duelo e carimbou o passaporte para as semifinais.

Palavra do comandante

Quem está bastante satisfeito com o ajuste do sistema defensivo do alvirrubro é o técnico Maurílio Silva. Para ele, o time soube se organizar num momento crucial do campeonato. “A nossa defesa deu um salto, melhorou muito. Tornou-se uma defesa forte, com propriedade. A conquista dessa vaga para a final veio com méritos. Fizemos um jogo importante contra o Atlético e tivemos o mérito de não tomar o gol. Marcamos bem, marcamos forte. Na estratégia, levamos para as penalidades, e a confiança no Jhones é extrema, haja visto que ele converteu uma cobrança e defendeu outra. Tivemos a felicidade de ter apenas um erro e conseguimos chegar à final”, declarou.

Foto: FC Cascavel Oficial.

Siga em:
Cianorte encara Cric
Maringá FC se recup

Estudante de Engenharia, fanático por futebol. Encontro nos textos uma forma de desenvolver novas aptidões e acompanhar de perto os bastidores do futebol.

Classifique este artigo