Há 40 anos, o Estádio do Café pulsava com o Londrina

Estádio do Café

O dia era 15 de fevereiro de 1978, uma quarta-feira de verão, a princípio, tudo parecia estar normal em Londrina, mas não estava. O Estádio Comendador Jacy Scaff, conhecido como o Estádio do Café pulsava com gritos de “É Tubarão!”, seria mais uma partida do Londrina, porém, ela entraria para a história do torcedor, do clube e de toda a cidade.

Por volta das 21h06, houve um tremor naquela “terra vermelha”, entretanto, não era um terremoto, era a torcida Alviceleste comemorando um gol histórico. Mais de 50 mil pessoas vibrando ao mesmo tempo, para ser exato 54.168 pagantes, fora todos aqueles que tiveram a oportunidade de viver tudo isso de graça. Neste momento, Carlos Alberto Garcia estava aos pratos no gramado, comemorando o gol da vitória do Londrina sobre o Corinthians, aos seis minutos do primeiro tempo, em um jogo da Fase Final pelo Grupo S, do Campeonato Brasileiro de 1977.

Torcida de Londrina e Corinthians abarrotada nas arquibancadas do Estádio do Café. Foto: Arquivo Folha de Londrina.

Vai ficar um pouco estranho se não contextualizar tudo que antecedeu está partida. Era apenas a segunda participação do Londrina no Campeonato Brasileiro, que em 1976 não havia feito uma grande campanha. O time comandado por Armando Renganeschi também não tinha feito um grande campeonato de 1977, foram para a repescagem e lá foi feito o “Pacto de Goiânia”. Para ir a Fase Final, tinham que vencer o Vila Nova e Goiás, mas os diretores do Tubarão não colocaram muita fé naquele time, então ninguém viajou com o elenco. “Lembro que na repescagem, um diretor nosso falou que não iria viajar com a gente, pois não chegaríamos a lugar nenhum”, disse Carlos Alberto Garcia. Chegando a capital de Goiás, os jogadores se uniram para surpreender a todos no clube e assim fizeram. Venceram o Vila Nova por 1 a 0, gol de Xaxá e três dias depois, derrotaram o Goiás por 2 a 1, com dois tentos de Brandão.

Com os resultados, o Alviceleste garantiu sua vaga na Fase Final do Campeonato Brasileiro, no Grupo S ao lado de Caxias, Flamengo, Santos, Corinthians e Vasco da Gama. Jogando as duas primeiras partidas em casa, venceu o Caxias por 2 a 0, com gols de Carlos Alberto Garcia e Brandão; e venceram o Flamengo por 1 a 0, gol marcado por Zé Roberto. A partida seguinte foi no Estádio do Pacaembu, contra o Santos, de virada, o Tubarão derrotou o clube santista por 2 a 1, com Garcia e Nivaldo fazendo os gols. “Era o Londrina e o Caxias que menos chances tinham, ganhamos do Caxias então já ficamos soltos, pois ganhando do Caxias já estava bom para nós, aí veio o Flamengo e ganhamos de 1 a 0. O Zico perdeu gol debaixo do gol, bola na trave, porque o Flamengo jogou muito bem, foi 1 a 0 para nós, gol do Zé Roberto que nunca chutou uma bola, chutou àquela e fez o gol. Então começou, venceu o Flamengo, venceu o Santos no Pacaembu e assim foi”, comentou Garcia sobre aquela campanha. Então chegou o dia 15 de fevereiro…

Naquela época, uma vitória simples por um gol de diferença valia dois pontos e por dois ou mais gols, três pontos. Naquela altura do campeonato, o Londrina liderava o Grupo S com sete pontos e tinha o Vasco da Gama logo atrás com quatro pontos. Uma derrota contra o Corinthians poderia tirar as chances de classificação as semifinais, pois o último jogo seria no Rio de Janeiro contra o clube cruzmaltino. “Naquela época, nem nós imaginávamos realmente que chegaríamos a tanto”, lembrou Garcia sobre a ótima campanha do Tubarão.

O jogo

Pouco mais de quatro horas antes da partida, o Estádio do Café já recebia um bom público. Foto: Arquivo/ Folha de Londrina.

A expectativa pela partida era tanta, que o confronto diante do Corinthians estava marcado para às 21h e por volta das 16h30, um bom público já estava no Estádio do Café. No elenco do Londrina tinha alguns ex-jogadores do Timão, como o goleiro Paulo Rogério e o meio-campo Carlos Alberto Garcia. Aos 6 minutos de partida, o lateral-esquerdo Dirceu, correu para a bola e cobrou uma falta na intermediária esquerda do campo corintiano, a bola atravessou toda a área e passou entre as pernas de Wladimir, Garcia girou e fuzilou a bola para o fundo das redes do goleiro Jairo, uma explosão no Estádio do Café.

O ex-jogador lembrou de tudo que envolveu aquela partida, já que ele era cria da base corintiana e não segurou as lágrimas na comemoração. “Fiquei oito anos no Corinthians e não tinha muitas oportunidades para ser titular lá, então saí magoado e muito triste com 20 anos e vim para o Londrina. Quando enfrentei o Corinthians naquela oportunidade, eu estava confiante, a torcida me apoiava e gritava meu nome, então falei ‘hoje é meu dia’. O Corinthians veio para cá para ser o favorito, vencemos por 1 a 0, gol meu e então o time empolgou e deu no que deu”, afirmou Garcia.

Sobre o clima no Estádio do Café naquela noite, Carlos Alberto Garcia não segurou as lágrimas e ficou sem palavras para descrever aquele momento. Grande companheiro de Garcia naquele ataque, Brandão disse que estava concentrado na partida, que não prestou atenção no público. “Olha, eu estava tão interessado na partida que não olhava para cima, eu olhava para a bola. Nosso objetivo era vencer o adversário, nesse jogo do Corinthians não percebi se era recorde de público, só sei que o estádio estava repleto de torcedores. Nós chegamos, entramos dentro do campo determinado e nós fomos felizes de ganhar de 1 a 0 frente ao Corinthians”, enfatizou Brandão.

Com a vitória sobre o Timão, o Londrina somou mais dois pontos e chegou a nove e iria para o Rio de Janeiro, enfrentar no Estádio de São Januário, o Vasco da Gama, valendo vaga nas semifinais do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA
LONDRINA 1X0 CORINTHIANS

Londrina: Paulo Rogério; Claudinho, Carlos, Arenghi e Dirceu; Zé Roberto, Ademar e Carlos Alberto Garcia; Xaxá, Nenê e Brandão.
Técnico: Armando Renganeschi.

Corinthians: Jairo; Zé Maria, Moisés, Ademir (Zé Eduardo) e Wladimir; Maurício, Basílio e Palhinha; Vaguinho, Geraldo (Genildo) e Romeu.
Técnico: Oswaldo Brandão.

Local: Estádio do Café, em Londrina (PR)
Data/ Horário: 15/02/1978, às 21h
Árbitro: Armindo Tavares

Público/ Renda: 54.168 pagantes/ Cr$ 2.161.900,00.
Cartão vermelho: Genildo (Corinthians)
Gols: Carlos Alberto Garcia aos 6’ do 1º tempo (Londrina).

Foto: Arquivo/ Folha de Londrina.

Siga em:
Coritiba vence Toled
Em noite de comemora

Jornalista, formado na Unopar em 2015. Nasci e moro em Londrina. Apaixonado por esportes. Gosto de praticar aquele futebolzinho de final de semana. Futebol não é apenas um esporte, mas sim uma forma de viver.

Classifique este artigo