18 de August de 2017 2:31:03

Entre metas e elogios, Operário apresenta meia Athos para a temporada

Na tarde desta terça-feira (25), a diretoria do Operário Ferroviário convocou entrevista coletiva para a apresentação do meia Athos, de 36 anos. O jogador tem a responsabilidade de ser a referência criativa no elenco do Fantasma, que atualmente conta apenas com Washington para cumprir a função. Em 2015, jogando pelo Inter de Lages (SC), Athos foi adversário do Operário na Série D do Campeonato Brasileiro.

O currículo do atleta é vasto. Ele iniciou a carreira em 1999, pelo Nancy, da França. Após isso, rodou por várias equipes conhecidas do Brasil, como Vila Nova (GO), Paraná Clube, Juventude (RS), Remo (PA) e Chapecoense (SC). Pela equipe de Chapecó, em 2012, fez parte do elenco que conquistou o acesso duplo no Brasileirão da Série C e da Série B, em dois anos seguidos. Recentemente, teve uma longa passagem pelo futebol gaúcho. Em 2016, defendeu o São Paulo (RS), adversário do Operário na Série D deste ano. No início de 2017 atuou pelo time do Veranópolis, que foi eliminado nas quartas de final do campeonato gaúcho.

Também na equipe catarinense, Athos conheceu o trabalho do atual técnico do Operário, Gerson Gusmão. Na época, Gersinho era auxiliar técnico do time. Agora, novamente juntos, o treinador do Fantasma comemorou a contratação, e revelou uma admiração pelo profissionalismo do jogador. “O Athos é um atleta que eu sempre tive um respeito muito grande. Sou um admirador do estilo dele. Ele está chegando para acrescentar muito no Operário. Tem um perfil de atleta vencedor, de atleta profissional. Vai agregar muito ao nosso grupo, que é um grupo jovem. Que nos ajude nessa caminhada da Série D, pois [o torneio] é muito importante para as pretensões do Operário”, avaliou.

Em seguida, foi a vez do jogador retribuir os elogios do treinador. Segundo Athos, Gersinho é um técnico de grande caráter e muito leal aos seus princípios. “Tenho que agradecer à diretoria e ao Gerson, por ter pedido a minha  contratação. Para mim isso é uma honra, um privilégio. Conheço a sua pessoa e seu estilo de trabalho. É muito importante que o treinador seja uma pessoa de caráter, e isso o Gerson tem de sobra”.

Motivos da vinda

Além disso, o meia revelou os motivos que o fizeram acertar com o Alvinegro. Para isso, Athos voltou ao ano de 2015, quando precisou passar pelo Estádio Germano Krüger como adversário do Fantasma. “O que me motivou a vir para cá, primeiro, foi a ambição de conquistar mais um acesso em minha carreira. Já tive vários acessos. O que mais me motivou foi esse objetivo, em comum junto com o clube, de conquistar mais um acesso. Também joguei contra aqui, sei que jogar diante deste torcedor do Operário é fantástico. Quando vim com o Inter de Lages aqui vi o quanto foi importante o torcedor. Tínhamos um grupo muito forte naquela ocasião e fizemos um jogo muito bom. Mas, com o incentivo do torcedor, o Operário pôde vencer com um gol no fim e seguir naquela Série D”, relatou.

Siga em:
Pelo terceiro ano co
Em duelo brasileiro

Estudante de Engenharia, fanático por futebol. Encontro nos textos uma forma de desenvolver novas aptidões e acompanhar de perto os bastidores do futebol.

Classifique este artigo