17 de December de 2017 5:14:36

De mero convidado à campeão invicto! Trajetória do Londrina na Copa da Primeira Liga

A Copa da Primeira Liga para o Londrina, se iniciou lá no dia 25 de janeiro, coincidentemente, a primeira partida do ano para o Tubarão. Se passaram 10 meses e ao final da competição, um time que foi convidado para está edição com as desistências de Atlético Paranaense e Coritiba, terminou levantando a taça de campeão. Está é a segunda vez que o Londrina ergue um título nacional, a primeira foi há 37 anos, a Taça de Prata de 1980, hoje equivalente ao Campeonato Brasileiro da Série B.

Primeira fase e os 100% de aproveitamento

Entrando no Grupo D, ao lado do Paraná Clube e de dois catarinenses, o Avaí e Figueirense, com isso, a estreia foi em Florianópolis, contra o Figueira, no Estádio Orlando Scarpelli e o Tubarão iniciou sua trajetória com vitória. Com o gol de Celsinho, já no segundo tempo, o alviceleste venceu por 1 a 0. O zagueiro Dirceu, que acabou levantando a taça de campeão, fazia sua estreia, só que pelo Figueirense. “O Dirceu olhando pelo lado individual, estava em Portugal, voltou para o Figueirense, em uma perspectiva muito boa, as coisas não aconteceram, estreando contra o Londrina, com todo passado que tinha, com uma derrota. Cheguei em casa naquele dia muito triste, cabisbaixo e perguntando o porquê de tudo isso? Hoje está aí, cheguei depois do final da primeira fase, invicto e hoje levantei a taça de campeão”, lembrou o zagueiro da sua trajetória em 2017.

Na segunda rodada, alguns dias depois e vindo de uma sequência de jogos no início de temporada, novamente uma partida em Florianópolis, desta vez, contra o Avaí, no Estádio da Ressacada, onde o alviceleste paranaense derrotou o adversário por 1 a 0, gol de Safira, já nos acréscimos. E finalizando a primeira fase, encarou o Paraná Clube, no Estádio do Café, no dia 21 de fevereiro e vitória por 2 a 1, com dois gols de Paulo Rangel. O Londrina encerrou a primeira fase com três jogos e três vitórias, quatro gols marcados e apenas um sofrido. Com 100% e a segunda melhor campanha da competição, só atrás do Internacional, no saldo de gols, 4 contra 3.

Jogos contra grandes equipes e o fator Estádio do Café fazendo a diferença

Com um pouco mais de seis meses de espera, as quartas de final colocaram frente-a-frente, Londrina e Fluminense, no Estádio do Café, dia 30 de agosto. Com melhor campanha, o Londrina fez o jogo único, em casa. Jogando melhor, o Tubarão derrotou o clube carioca por 2 a 0, com gols tentos de Carlos Henrique, que ainda não tinha jogado pela competição. Quatro dias depois, novo confronto diante do seu torcedor, para mais de 17 mil pessoas assistirem, um jogo duro contra a equipe reserva do Cruzeiro, mas que tinha nomes como: Lucas Silva, ex-Real Madrid e Sassá, ex-Botafogo. O clube mineiro abriu 2 a 0 no placar, aos 36 minutos, Safira diminuiu a vantagem da Raposa e aos 51 minutos da segunda etapa, Safira sofreu pênalti. Germano bateu, empatou e levou a decisão para as penalidades. Com o brilho de César, que defendeu três cobranças, o Londrina venceu por 3 a 1 e garantiu vaga na decisão, consequentemente, o jogo final seria no Estádio do Café.

E nesta quarta-feira (4), chegou o grande dia para Londrina e Atlético Mineiro. De novo, o Estádio do Café recebeu um público para mais de 17 mil pessoas, as duas equipes se estudaram muito e pouco criaram. No final, a decisão do campeão ficou para a marca da cal. Jumar, Edson Silva, Ayrton e Dirceu fizeram os gols do Londrina; Fábio Santos e Robinho marcaram para o clube mineiro, Clayton e Rafael Moura, pararam nas mãos de César, que na competição começou como reserva de Alan e terminou nos braços da torcida. “Passa sim [um filme na cabeça], ano passado eu era de quarto a quinto goleiro e as coisas tomaram um rumo muito rápido, então tenho que agradecer demais à Deus”, enfatizou o arqueiro do Londrina.

Ao longo desses 10 meses de competição, o Londrina utilizou 33 atletas na competição e Safira foi o único jogador que esteve em campo em todas as partidas, três como titular e três entrando durante a partida. Depois dele, Celsinho fez cinco partidas, o jogador que foi dispensado antes da final. Em contrapartida, Jumar e Negueba, que disputaram a final, fizeram sua estreia exatamente nesta partida. O Tubarão marcou oito gols e sofreu três gols. Dos oito tentos, Safira, Paulo Rangel e Carlos Henrique, marcaram dois gols cada. Celsinho e Germano marcaram os outros dois gols. Em quatro jogos, a média de público do Londrina foi de pouco mais de 9 mil pagantes, tendo no total 36.015 no total.

Foto: Robson Vilela/ Redação em Campo.

 

Siga em:
Londrina é campeão
Rafael Andrade não

<p>Jornalista, formado na Unopar em 2015. Nasci e moro em Londrina. Apaixonado por esportes. Gosto de praticar aquele futebolzinho de final de semana. Futebol não é apenas um esporte, mas sim uma forma de viver.</p>

Classifique este artigo